Antisemitismo

ROSE HAMID

DONALD TRUMP, A MUÇULMANA E O JUDEU TOLO.

Admiro, respeito e defendo a Ética Judaica, mas a tolice é algo inaceitável, incompatível e até mesmo condenado pelo judaísmo.

Rose Hamid and Marty Rosenbluth
O judeu Marty Rosenbluth protesta ao lado da muçulmana Rose Hamid

Donald Trump estava fazendo um comício na cidade de Rock Hill, na Carolina do Sul, nesta sexta-feira, 8, quando uma muçulmana entrou no recinto usando a tradicional roupa preta e o hijab. Sobre a roupa, a mulher havia colocado uma camiseta azul onde podia-se ler “Salam, eu venho em paz”.

A mulher não foi incomodada quando aproximou-se do local do evento, sua entrada não foi impedida e nem mesmo foi deslocada da posição extremamente visível que escolheu para ficar: atrás do palanque onde Trump discursava.

Embora cercada por centenas de simpatizante das propostas restritivas do candidato, nenhum dos presentes manifestou-se contra o manifesto quase provocativo da visitante e esta permaneceu sentada, tranquila, sem ser incomodada por ninguém.

Donald Trump
Plateia de Trump incluía latinos, afro-descendentes, o judeu e a muçulmana.

O encontro transcorria sem problemas quando em determinado momento do pronunciamento do pré-candidato republicano à presidência dos Estados Unidos a mulher, posteriormente identificada como Rose Hamid, de 56 anos, levantou-se e assim permaneceu.

Além do hijab e da camiseta abertamente provocatória às ideias do pré-candidato, Rose Hamid usava ainda uma estrela com a palavra “Muçulmano”, numa clara alusão às famigeradas estrelas amarelas que o governo de Adolf Hitler impingiu aos judeus na Alemanha nazista.

Como havia uma determinação dos organizadores para que toda pessoa que procurasse tumultuar o evento fosse retirada do recinto, a mulher foi convidada a sair. O que fez sem o uso de força, sem nenhum comentário adjacente de Trump ou pronunciamento por parte da mesma.

O episódio – como tudo que orbita a campanha de Donald Trump – “bombou” na Internet. Mas pouco, ou quase nada, tem-se escrito sobre o homem que acompanhava Rose Hamid na provocação: Marty Rosenbluth.

Marty Rosenbluth é advogado, ativista social na defesa de muçulmanos e palestinos e, curiosamente, é judeu.

Nos dias de hoje, basta uma passada de olhos sobre o perfil de alguém nas redes sociais para ter-se pelo menos uma ideia do que pensa a pessoa. E navegar nos perfis de Marty Rosenbluth é mergulhar num oceano de antissionismo que, como sempre defendi, é a porta de entrada para o antissemitismo. Para mim, o antissionismo está para o antissemitismo como a maconha (marijuana) está para o resto das outras drogas. É uma porta de entrada.

Rosenbluth não só defende os muçulmanos como vive a postar imagens e mensagens falsas que atacam o governo e o Estado de Israel.

Admiro, respeito e defendo a Ética Judaica, já escrevi aqui diversos artigos sobre isso. Mas a tolice é algo não só incompatível como condenado pelo judaísmo.

Ma NishtanahDurante o Seder de Pessach, a cerimônia judaica que relembra anualmente a libertação do povo hebreu cativo do Egito, há um momento, chamado de Ma Nishtaná, onde são feitas quatro perguntas representando quatro tipos de filhos: o sábio, o perverso, o tolo e aquele que não sabe perguntar.

As perguntas são feitas nesta ordem. E normalmente a interpretação que se faz é que a pergunta do filho perverso não é colocada por último de forma proposital. A pergunta dele vem logo após a do filho sábio, pois pesa sobre este a responsabilidade de ensinar o perverso a enxergar o bem, ao invés do mal.

Agora, o tolo e aquele que não sabe perguntar são deixados por último, pois para o judaísmo a ignorância e a tolice é algo muito grave. Não posso afirmar que Marty Rosenbluth seja tolo, pois não o conheço, mas a sua atitude é.

As propostas de restrição à entrada indiscriminada de imigrantes, sejam eles muçulmanos ou não, nos EUA não tem nenhuma comparação com o que aconteceu na Alemanha nazista dos anos 40. A forma como Rosenbluth e Hamid utilizaram a famigerada estrela é um escárnio não só à memória daqueles que a utilizaram como um tapa nos sentimentos daqueles cujos parentes foram obrigados a fazê-lo.

Há alguns anos Rosenbluth mudou-se para Israel onde morou por mais de 7 anos. Embora nascido em Nova York, Rosenbluth é judeu, por isso teria direito a fazer aliah, ou seja, ser recebido e reconhecido como cidadão pelo governo de Israel. Mas, ao invés de ir para Jerusalém, Eilat, Haifa ou Tel Aviv, Rosenbluth preferiu fixar residência na Cisjordânia, onde dedicou-se a defender gratuitamente os auto-proclamados palestinos.

Nos Estados Unidos, Rosenbluth além de defender muçulmanos é um simpatizante das reivindicações dos homossexuais. Porque então ele não escolheu morar em Tel Aviv, onde periodicamente reúne-se uma grande comunidade homossexual?

Nos EUA, Rosenbluth levantou-se “corajosamente” ao lado de uma muçulmana, pois sabe que naquele país ele tem liberdade para fazer isso sem correr riscos. Liberdade que os muçulmanos por ele defendidos querem conspurcar. Queria vê-lo fazer o mesmo na sua querida Cisjordânia.

ARTIGOS SOBRE ÉTICA JUDAICA JÁ PUBLICADOS EM NOTÍCIAS DE SIÃO

ISRAEL SALVA FILHA DE DIRIGENTE DO HAMAS
SARGENTO DAS FORÇAS DE DEFESA DE ISRAEL SALVA BEBÊ PALESTINO
MÉDICOS ISRAELENSES SALVAM BEBÊ PALESTINO
MAIS UM MILAGRE EM UM HOSPITAL ISRAELENSE
A DIFERENÇA ENTRE OS PRISIONEIROS
A CRISE DOS REFUGIADOS E UM SOCORRO PARA MUITOS IMPENSÁVEL

ANDS | FACEBOOK

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s