Antisemitismo

TENSÃO TOTAL NO ORIENTE MÉDIO

ARÁBIA SAUDITA CONVOCA ALIADOS SUNITAS CONTRA O IRÃ

A Arábia Saudita trabalha nos bastidores buscando unir o ramo sunita do Islã para um possível conflito entre os muçulmanos xiitas. A tensão entre sunitas e xiitas vem tomando proporções incontornáveis desde que o regime de Riade executou o clérigo xiita Nimr al-Nimr no último sábado, 2.

Os primeiros países a alinharam-se com os sauditas foram o Bahrein e o Sudão, que cortaram laços diplomáticos com Teerã depois da própria Arábia Saudita ter feito o mesmo neste final de semana.

O Ministro dos Negócios Estrangeiros saudita Adel al-Jubeir disse à Agência Reuters que seu país fechou o espaço aéreo às aeronavas comerciais e civis iranianas e romperu relações comerciais com o país dos aiatolás.

Adel al-Jubeir culpou as “políticas agressivas” do Irã como responsáveis pela tomada de decisão de Riade, deixando claro que não se tratava de algo recente, pois a tensão entre os dois países é algo que arrasrta-se há anos.

Os Emirados Árabes Unidos, onde a colônia iraniana é significativa, também impôs restrições diplomáticas – embora sem romper formalmente relações – com outros países árabes que têm aproximação ideológica com o Irã, tais como Kuwait, Qatar e Omã .

Ainda na noite de sábado, dezenas de iranianos invadiram a embaixada saudita em Teerã, numa atitude que o governo de Teerã disse não ter nenhuma responsabilidade. Agora o Irã acusa a Arábia Saudita de usar o ataque como uma “desculpa” para cortar os laços e aumentar ainda mais as tensões sectárias enhtre xiítsa e sunitas.

Um homem foi morto a tiros na Província Oriental da Arábia Saudita na noite de domingo e duas mesquitas sunitas foram bombardeadas na província de Hilla, no Iraque. Hilla é uma região majoritariamente xiíta.

O preço do petróleo oscilou entre altas e baixas durante o dia de hoje não deixando claro que vertente irá tomar nos próximos dias.

Os mercados de ações em todo o Golfo caíram drasticamente, sendo que as quedas mais acentuadas aconteceram na Bolsa do Qatar, cujos índices estavam -2,5% no encerramento do dia.

A China mostrou-se preocupada, os Estados Unidos e a Alemanha pediram moderação, enquanto Vladimir Putin ofereceu-se para mediar uma solução para a crise.

A tensão iniciada neste último final de semana envolve todo o Oriente Médio fazendo com que a Síria, palco do principal conflito na região, transforme-se num improvável campo de batalhas “indireto” entre os litigantes.

Enquanto a Arábia Saudita e outras potências árabes do Golfo apoiam os grupos rebeldes que lutam para depor o regime de Damasco, o Irã apoia o regime de Bashar Assad.

Tehran Protest

TERROR TOTAL ENTRE PRIMOS

A reação da comunidade xiita contra a execução do líder Nimr al-Nimr parece estar apenas começando. O chanceler saudita Adel al-Jubeir denunciou que agentes infiltrados do Irã estavam ajudando a organizar “células terroristas” entre minorias xiitas do seu país. E esta era justamente uma das acusações que pesava sobre o clérigo executado no sábado.

Enquanto na Arábia Saudita Nimr al-Nimr é acusado de traição, no Irã os xiítas o saúdam como mártir e prometem que a família Al Saud, herdeira do trono, pagará caro pelo ato. Dizem, de forma ameaçadora, que uma “vingança divina” se abaterá sobre a família.

O Bahrein acusou o Irã de “ingerência flagrante e perigosa” nos assuntos dos países árabes do Golfo, e anunciou o rompimento das relações diplomáticas.

O Iêmen anunciou um toque de recolher em Aden, uma cidade portuária estratégica entre a Arábia Saudita e os Emirados Árabes Unidos. O Iemem trava uma guerra contra o grupo xiita Houthi que controla grande parte do país. Até sábado vigorava um tênue cessar fogo neste região, cessar fogo que foi prontamente rompido depois da execução de Nimr al-Nimr.

As potências ocidentais, muitas dos quais fornecem bilhões de dólares em armamento para as potências árabes do Golfo, tentaram conter os as tensões com o Irã, mas também criticaram a execução do clérigo.A situação na região está completamente fora de controle.

TV portuguesa mostra protestos no Oriente Médio

ÁRABE CONTRA ÁRABE MAS TODOS DE OLHO EM ISRAEL

Sabemos que a frase acima não faz nenhum sentido, mas foi isto que pode-se ver ao longo do dia de hoje em diversas cidades da região: protestos onde as bandeiras dos Estados Unidos e de Israel eram solenemente queimadas.

No meio da tarde desta segunda-feira, 4, a confusão no Oriente Médio e no Golfo Pérsico era a seguinte: Os muçulmanos sunitas da Arábia Saudita, que executaram o muçulmano xiíta da Arábia Saudita, eram criticados pelo governo muçulmano do Irã. Os diplomatas muçulmanos do Irã foram então expulsos pela diplomacia muçulmana saudita e diversos protestos pipocaram em outros países muçulmanos como Iraque, Iemen, Líbano, Bahain, Paquistão e Caxemira.

Embora tudo isso fosse promovido e envolvesse apenas muçulmanos, sabem o que todos eles estavam fazendo?! QUEIMANDO BANDEIRAS DE ISRAEL!

Ora, que raios os judeus têm a ver com essa confusão toda?!

1 resposta »

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s